quarta-feira, 17 Janeiro 2018
Capa » PROSEANDO » Ah! O meu jeito!

Ah! O meu jeito!

Me chamam de boca braba

Mas eu nem brabo não fico

Não desfaço quem é pobre

Nem adulo quem é rico

Quando eu gosto, eu elogio.

Quando eu não gosto, eu critico.*

Buenas!!! Aqui estamos em mais uma prosa semanal com o Ratinho Chaves, onde agradeço mais uma vez ao nosso Patrão Maior pelas bênçãos e proteção a nós, a nossa família e a cada um de vocês que juntos proseiam conosco aqui no Mundo Tradicionalista.

Nesta semana vamos falar um pouco da nossa personalidade, do nosso jeito de ser, que muitas vezes, e muitas, incomoda as pessoas.

Muita gente me acha estranho e me critica que tenho uma personalidade forte e que se mostram exatamente como sou. Quer saber? Fico feliz que se refiram a mim como quiserem como quiserem me classificar, do melhor jeito que fizerem. É assim mesmo que eu sou. Sabe uma coisa que me deixa muito feliz? Receber algo de um amigo (a) com uma ‘sutilíssima’ lição de moral. Nada melhor do que ser alvo dos “moralistas”. Sou assim mesmo: palavra crua! Mas com um ingrediente extra que está em falta em muitas pessoas: a verdade!

Tem pessoas na vida que se fingem de boas, puras, amigas, e, no entanto molham os seus travesseiros de lágrimas que escondem durante o dia. Poupam o outro para agradá-lo, para manter a pose de boa pessoa. Melhor do que ser verdadeiro é ter pessoas que me admiram por ser assim, exatamente como sou hoje!

Os “moralistas”, “invejosos” e “recalcados” estão se remoendo nos sofás macios das suas salas e afundando os seus teclados ao passarem horas me “julgando”… Ótimo! É isso que eu quero deles…Até pediria que listassem para mim as características que tenho e que ainda não percebi. Estarão me ajudando a montar uma autobiografia e seriam todos muito bem-vindos.****

Tem gente que não entende

Que o macho, quando é bem macho,

Nem que o mundo venha abaixo

Não dispara e não se rende

Essa é a gente que se ofende

Com o meu ar de liberdade

E por inveja, e maldade

das suas mentes macabra

batizam de boca braba

quem tem personalidade.*

Já tive medo de expressar o que eu sentia e pensava… Hoje não! Arrogância? Também não! É apenas a expressão do que sinto!

Eu até tento entender as pessoas, mudar meu jeito de ser e de agir, mas não consigo ser hipócrita. As pessoas sempre estão tentando tirar vantagens umas das outras, sempre tem inveja, dificilmente querem o bem dos outros, fazem tudo sempre em beneficio próprio sem olhar se vai prejudicar alguém. A hipocrisia predomina em todo instante, na frente de você, tudo é maravilha, por trás te crucificam. Que mundo é esse meu Deus!

O meu jeito?

Ah, o meu jeito, conforme tenho dito

Pra uns é muito bonito

Pra outros é meu defeito

Mas talvez seja o meu jeito

Que me troque de invernada

Cada um tem sua estrada

Seu lugar, seu parador

A abelha gosta da flor

A sarna, da cachorrada.*

Gosto do meu jeito de ser. Não me rendo as regras, tradições ou convenções. Não me prendo a nada. Não ligo para estilos, modismos ou tendências. Sou guiado pelas minhas preferências. Meu humor é minha maior influência e meu prazer é razão da minha existência. Só a Deus sou fiel e devo obediência. Sou eclético, por natureza admiro em tudo, a beleza. Não me prendo a defeitos. Estamos longe de sermos perfeitos. Prezo a honestidade e a lealdade. Não tolero hipocrisia e falsidade. Aceito bem mudanças e modificações. Gosto de diversificações. No entanto, repudio imposições. Transito por ambientes e meios diversos da sociedade. Comporto-me, adequadamente, nesses universos. Uso roupas simples e às vezes até surradas. Gosto de ser assim. Porque o maior tesouro que carrego, não está no que visto ou aparento, está no meu coração, está dentro de mim.***

Personalidade**

Não sei se vim para ficar ou se vim para não estar.

Não tenho fontes de riqueza material.

Mas tenho fontes de riqueza espiritual.

Não tenho nome nem sobrenome.

Sou um anônimo com ânimo para mudar o mundo.

Não sou vagabundo, mas tenho tempo para descansar e pensar.

Não sou gigante, mas tenho ideias brilhantes.

Não sou rápido, mas logo flagro um erro clássico.

Não me acho inteligente. Pois todos os humanos são.

Mas me acho capaz de discernir o melhor caminho e o melhor plano.

Não sou um exemplo, mas sou um demonstrador de exemplos raros.

Não sou um grande chefe, mas sou um simples líder.

Não sou um monge e nem um guerreiro, mas sou um revolucionário pacífico.

Não gosto das mentiras, mas das puras verdades.

Não entendo o mundo e nem a mim mesmo, mas pretendo melhorá-los antes do fim.

Me chamam de boca braba

Essa gente tá enganada

Eu tenho é boca de homem

E tenho opinião formada

Sei qual é a boca que explora

Sei qual é a boca explorada

E é melhor ser boca braba

Que não ter boca pra nada!*

Assim encerramos mais uma prosa semanal aqui no Mundo Tradicionalista, onde a coluna PROSEANDO COM RATINHO CHAVES deseja a cada um de vocês um Natal repleto de realizações, paz, prosperidade e fraternidade. Que o Menino Jesus derrame todas suas benção para que no Ano Novo, que está batendo na porta, seja um Ano que possamos realizar todos nossos sonhos.

Natal

(Trechos de citações de autores: *João de Almeida Neto; **Naldson Ramos da Costa Júnior; ***Lurdes de Oliveira;****Cristiane Galvão).

“Sirvam nossas façanhas de modelo a toda terra”.

Sobre Leandro Chaves

Leandro Chaves
Professor e Tradicionalista. Filho de Italmir Maldonado Chaves (in memoriam) e Ana Maria Castro Chaves. Exerceu diversas funções em Entidades Tradicionalistas de São Gabriel; foi Sota-Capataz e Tesoureiro da 18ª Região Tradicionalista. Atualmente integra o Departamento Social do CTG Tarumã. É o idealizador do Mennatchê, um evento tradicionalista realizado no mês de Setembro, dentro de uma Escola Pública, que tem como objetivo cultuar as tradições do RS.

BOMBEIA TAMBÉM, TCHÊ!

Apresentação temática da Semana Farroupilha está confirmada para próxima segunda

Mesmo diante de todos os entraves e dificuldades financeiras que colocaram em risco a realização ...