terça-feira, 20 novembro 2018
Capa » CAMPEIRA » Após animal ser sacrificado em Rio Pardo, NCCC afirma que teste de mormo não é exato

Após animal ser sacrificado em Rio Pardo, NCCC afirma que teste de mormo não é exato

Foto: Bruno Pedry.

O presidente da entidade, Tibicuera Menna Barreto de Almeida, explica teste de maleína detecta cerca de 100 bactérias.

O presidente do Núcleo de Criadores de Cavalos Crioulos (NCCC) de Santa Cruz do Sul, Tibicuera Menna Barreto de Almeida, garantiu que o teste para detectar mormo não é conclusivo. Em entrevista à Rádio Gazeta, ele comentou que o teste de maleína, que é realizado como contraprova após o exame de sangue dar inconclusivo ou positivo, detecta cerca de 100 bactérias e não somente o mormo. Para ele, deve se pensar melhor antes de sacrificar animais a partir desses resultados.

Almeida se manifestou sobre o assunto uma semana depois de ter sido confirmado o primeiro caso de suspeita de mormo na região. Em Rio Pardo, foi sacrificado um animal na sexta-feira, 13, e a propriedade se encontra interditada e em saneamento. “O teste de maleína apresentou poucos reagentes. Mesmo assim, resolveram sacrificar o animal, um garanhão que vale mais de R$ 50 mil”, comentou. “Acho que estamos correndo sérios riscos em relação aos nossos animais, sem necessidade. O teste de sangue e maleína é só suspeita. Não dá certeza”, completou.

Para o presidente do NCCC, existem outros exames mais precisos que poderiam ser utilizados para definir se o animal está ou não contaminado por mormo. O problema, segundo ele, é que estes testes ainda não chegaram no Brasil e são mais caros, podendo custar de R$ 800 a R$ 1 mil, enquanto o teste da maleína não chega a R$ 100. Ele salienta que o mormo é uma doença infecto-contagiosa e é transmitida através de secreções ou sangue do animal. “No Rio Grande do Sul, tivemos um caso no município de Rolante. Depois foi detectado em Alegrete, em Uruguaiana e em diversas regiões do Estado. Olha a distância entre as cidades. São animais que não tiveram contato. Nós não entendemos”, ressalta.

Para evitar o mormo, Almeida explica que o NCCC aconselha os proprietários de equinos a terem alguns cuidados simples, como cada animal beber água em seu bebedouro e se alimentar no seu cocho.

Fonte: Gaz – Sua Gazeta Online.

BOMBEIA TAMBÉM, TCHÊ!

46º Rodeio Nacional do CTG Os Praianos começa neste sábado (28)

Shows nacionais, apresentação de grupos tradicionalistas, gastronomia, danças, exposições e competições artísticas são alguns dos ...