segunda-feira, 19 novembro 2018
Capa » PROSEANDO » As Tradições Gaúchas pelo Mundo

As Tradições Gaúchas pelo Mundo

É Carnaval… Mas sempre é bom enaltecer as nossas tradições gaúchas e falar dela. Podem até dizer que o Brasil é conhecido pelo carnaval, pelo samba, pelo futebol, mas nossa CULTURA GAÚCHA também é conhecida pelo Mundo.

Essa é nossa maior riqueza que herdamos de nossos antepassados e levamos a este Mundo Grande de Deus.

Nossa coluna nesta segunda-feira de Carnaval vai abordar as Tradições do Rio Grande do Sul, a nossa Cultura Gaúcha, que está espalhada pelo Mundo.

Não é apenas no Rio Grande do Sul que as prendas e os peões mantêm suas tradições. Longe do Estado, Centros de Tradições Gaúchas (CTGs) cultuam o folclore e os costumes da região por meio da dança, alimentação e esportes. Ao total, há quase três mil CTGs registrados no Rio Grande do Sul, no Brasil e no mundo.

Estados Unidos, Japão e Polônia são alguns dos países que divulgam a cultura gaúcha, com organizações tão ou mais fortes das que existem no RS, segundo o Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG). A Semana Farroupilha é comemorada fora do Rio Grande do Sul com o mesmo orgulho com que festejamos aqui. O Acampamento Farroupilha, realizado no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, em Porto Alegre, e os festejos são realizados durante todo o mês de setembro.

Em alguns casos, não é preciso ter nascido no Rio Grande do Sul para se considerar um gaúcho. Um dos centros localizados em Manaus, no Amazonas, empenha-se para seguir corretamente todas as normas e diretrizes do Movimento. Mesmo com temperatura e clima bem diferentes dos apresentados no sul do país, os amazonenses buscam utilizar todas as indumentárias determinados pelo MTG, sem recorrer à adaptação. “Eles fazem questão de dizer que são gaúchos, mesmo não sendo”, comenta Bertolini, Ex-Presidente do MTG.

A paixão pela história e cultura do RS pode ser traduzida também em números. Além da quantidade de CTGs – mais de 1600 no Estado, cerca de 1300 no Brasil e 16 no exterior -, são mais de 200 mil Cartões de Identidade Tradicionalistas distribuídos entre os associados do MTG. Esses cartões foram criados com o objetivo de organizar e fortalecer os quadros de associados, vinculando o seu portador a uma única entidade. O documento é necessário para representações em rodeios, torneios e competições artísticas.

PRESERVANDO AS TRADIÇÕES

As entidades tradicionalistas buscam preservar os costumes da mesma forma com que eram cultuados há gerações. “Mantemos os valores dos nossos pais e avós”. Dessa forma, o MTG criou uma “Carta de Princípios”, escrita em 1960, em que se regulamentam aspectos éticos, cívicos, culturais, estruturais e filosóficos da cultura gaúcha a serem seguidos pelos tradicionalistas.

As pilchas que devem ser utilizadas sofrem alterações dependendo da atividade desempenhada. O uso de bombachas pelas prendas, por exemplo, é permitido apenas nas práticas esportivas e campeiras, estando vetada para atividades artísticas e sociais.

A vontade de seguir as tradições segue aumentando, especialmente entre os jovens. O movimento organiza eventos ao longo de todo o ano. São congressos, festas, convenções e cirandas culturais que reúnem adultos e crianças de todas as regiões do Rio Grande do Sul. E a participação dos jovens chega a 85% em muitos deles, segundo o MTG.

Além disso, as atividades tradicionalistas também colaboram na formação dos jovens, estimulando a convivência e a determinação, na visão de Bertolini. “Muitos trabalham durante o dia, estudam à noite e treinam a música e dança nas horas que sobram. E, mesmo assim, observamos que é crescente a vontade de participar das atividades corretamente, seguindo os nossos princípios, usando as roupas adequadas”, relata.

PRIMEIRA MULHER PATRONA DA SEMANA FARROUPILHA

Apesar de seguir determinadas regras há anos, o tradicionalismo também sofre mudanças e avanços ao longo dos anos, adaptando-se aos novos estilos de vida. No ano de 2012, uma mulher foi homenageada pela primeira vez com o título de Patrona dos Festejos Farroupilhas. A proposta foi aprovada por unanimidade pela Comissão Estadual.

Nilza Lessa sempre foi uma presença ativa na preservação dos costumes gaúchos. Natural de Santana do Livramento, muito cedo se envolveu com a cultura. Nilza foi professora, produtora de TV e de eventos, gerente da Churrascaria do CTG 35 e dona de loja de artigos gauchescos emPorto Alegre.

Também é viúva do escritor, folclorista e historiador Barbosa Lessa, morto em 2002.

FIM DA AVALIAÇÃO DE BELEZA EM CONCURSO

Em junho de 2012, a convenção anual do Movimento Tradicionalista Gaúcho realizada em Guaporé, na Serra, também provocou mudanças em um tradicional Concurso do Estado. Foi aprovado ofim da avaliação do critério beleza para a escolha da Primeira Prenda do Rio Grande do Sul. As qualidades que a vencedora precisa apresentar passam, agora, pelo conhecimento de história, folclore, cultura e até de geografia.

Antes, a beleza era avaliada no quesito “características pessoais” e tinha o peso de 2,5 pontos de um total de 100. A partir de agora, o item não existe mais e a pontuação será distribuída entre simpatia e boas maneiras. Outra proposta aprovada foi a de desconsiderar eventuais erros de português durante a avaliação oral das candidatas a prenda

GAÚCHO EM QUALQUER RINCÃO**

Se você acha que gaúcho é só quem nasce no Rio Grande do Sul, é bom começar a rever seus conceitos. “Gaúcho é como uma etnia. Não importa onde nasceu, importam as tradições, a cultura”, assim define o sociólogo, e também gaúcho, Dirceu Quinelato.

Paulista de Mirandópolis, Dirceu é um dos fundadores do CTG (Centro de Tradições Gaúchas) Rincão Sulino, aqui em Londrina, que hoje conta com mais de 70 associados. “O gaúcho é um idealista. Tem um instinto de liberdade, isto que me atraiu na cultura gaúcha”. Ele ressalta que a força do CTG está na família, tradição e cultura. “Para se associar ao CTG é preciso ter uma vivência tradicionalista. Não é só dançar e fazer churrasco. Aqui é como uma pátria-mirim. Cada CTG é um pedaço do Rio Grande do Sul”, explica.

Uma “pátria” que tem até estatuto. O aposentado Ismael José da Silva, membro do conselho do Rincão Sulino, lembra que os CTGs são obrigados a seguir uma cartilha de recomendações. A partir dela, cada um dos mais de 900 Centros espalhados pelo Brasil e também em países como o Paraguai, Estados Unidos, Portugal e até Japão, preservam os aspectos da tradição gaúcha.

Nos muitos encontros não faltam músicas, danças e até declamação de poemas tradicionais. Cada detalhe é cuidadosamente preparado. Desde os trajes – no vocabulário gaúcho, pilchas – até a decoração do ambiente. A culinária também é uma atração ao público e o churrasco Fogo de Chão seu carro-chefe. A preparação da carne segue um verdadeiro ritual que começa no dia anterior ao evento. São 12 horas no tempero à base de água e sal grosso. Depois disso, as costelas são colocadas nos espetos, fincadas na terra e rodeadas por lenha. Após seis horas de fogo, o almoço já pode ser servido.

As festas são abertas ao público. O peão Orlando Alves de Oliveira comenta que já foi preparada para um único churrasco mais de uma tonelada de carne. Ele conta um pouco da técnica do churrasco: “a disposição da lenha afunila o calor e distribui igualmente na parte de cima e na parte de baixo. Por isso não queima. O que queima a carne num churrasco comum são as labaredas.”.

Para Quinelato, tudo que é feito nos CTGs tem o propósito de resgatar e reproduzir o que o gaúcho fazia na época da colonização. “Não se podem criar variantes que nos distancie desta origem”, diz. Ele confia que a tradição nunca vai se perder. “Os jovens e as crianças começaram a aderir muito aos CTGs”. Eles querem participar e falta até tempo e espaço para todo mundo. A cultura se expande cada vez mais. Não vai acabar não”, enfatiza.

Assim encerramos mais uma prosa semanal, demonstrando a todos que nossa Cultura Gaúcha também é reconhecida e praticada nos mais distantes rincões deste mundo. Somos e seremos sempre TRADICIONALISTAS e jamais estaremos TRADICIONALISTA.

(*Apoio do G1 RS em 05/09/12; **Artigo de Janaína Castro e Luiz Gustavo Ticiane).

“Sirvam nossas façanhas de modelo a toda terra”.

Sobre Leandro Chaves

Leandro Chaves
Professor e Tradicionalista. Filho de Italmir Maldonado Chaves (in memoriam) e Ana Maria Castro Chaves. Exerceu diversas funções em Entidades Tradicionalistas de São Gabriel; foi Sota-Capataz e Tesoureiro da 18ª Região Tradicionalista. Atualmente integra o Departamento Social do CTG Tarumã. É o idealizador do Mennatchê, um evento tradicionalista realizado no mês de Setembro, dentro de uma Escola Pública, que tem como objetivo cultuar as tradições do RS.

BOMBEIA TAMBÉM, TCHÊ!

Caçapavano ganha reconhecimento do MTG por atividades tradicionalistas

Na última sexta-feira (01/12) o Caçapavano Lucas Mota recebeu uma homenagem em reconhecimento aos serviços ...