Capa » CAMPEIRA » Caçapava do Sul sedia Curso de Guasqueiro e recupera tradição

Caçapava do Sul sedia Curso de Guasqueiro e recupera tradição

O aproveitamento do couro e o resgate e valorização da profissão de guasqueiro motivaram a realização do Curso de Artesanato Rural em Couro/Ofício de Guasqueiro, realizado nesta semana, de 25 a 27, em Caçapava do Sul, numa promoção da Emater/RS-Ascar, através dos escritórios Municipal de Caçapava e Regional de Bagé.

Realizado na Escola Técnica Estadual Dr. Rubens da Rosa Guedes, o curso apresentou técnicas de artesanato em couro, como estaqueamento e preparo do couro, com o objetivo de recuperar a cultura e a profissão de guasqueiro que, apesar de muito antiga, está desaparecendo e as novas gerações poucos são as que conhecem esta arte.

Durante o curso, foram repassadas dicas de confecção de botões, pregas, corredores, passadores e alguns tipos de costura. Os participantes fizeram algumas peças, como bainha de faca, chaveiros, cintos, cabeçadas, rédeas e maneias, entre outras.

O artesanato em couro é uma excelente possiblidade de geração de renda na propriedade, pois utiliza um subproduto que muitas vezes é perdido ou descartado, devido ao baixo valor de comercialização quando vendido sem nenhum preparo.

Além de resgatar a tradição, o curso de guasqueiro possibilita aos participantes uma alternativa viável de renda extra na propriedade, e que pode ser desenvolvida por pessoas de qualquer idade. Um artigo produzido em couro cru tem um alto valor agregado, que o torna diferenciado de peças industrializadas.

“Desta forma, o artesanato em couro torna-se uma ferramenta de inclusão social e produtiva das famílias e principalmente dos jovens rurais. Assim buscamos multiplicar também o aprendizado entre os técnicos da Emater, para realização de mais cursos na região”, avalia o engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar de Caçapava do Sul, Guilherme Miranda Fernandes.

Para a assistente técnica regional de Pecuária da Emater/RS-Ascar de Bagé, Elusa Andrade, “uma peça artesanal em couro cru carrega muito mais que um pedaço de couro e muitas horas de serviço, pois todo conhecimento utilizado, que é transmitido entre gerações há séculos, tem um valor de apreço muito maior que o valor comercial”.

Já segundo o instrutor do curso, o engenheiro agrônomo, artesão e chefe do Escritório da Emater/RS-Ascar de Itaqui, Hugo Cougo Mendes, “a arte de lidar com couro não é apenas uma fonte de renda ou uma terapia, mas sim o retrato da cultura de uma localidade, cidade, estado ou país, assim nas mãos calejadas dos guasqueiros vai à história do nosso povo”.

Participaram técnicos, produtores e jovens dos municípios de Rosário do Sul, São Gabriel, Lavras, Candiota, Hulha Negra e Caçapava do Sul.

Fonte: Gazeta de Caçapava.

BOMBEIA TAMBÉM, TCHÊ!

Apresentação temática da Semana Farroupilha está confirmada para próxima segunda

Mesmo diante de todos os entraves e dificuldades financeiras que colocaram em risco a realização ...