terça-feira, 16 Janeiro 2018
Capa » PROSEANDO » Indumentária Gaúcha (parte 1)

Indumentária Gaúcha (parte 1)

Buenas Gaúchos, estamos mais uma vez pedindo licença para prosear contigo, com a benção de nosso Patrão Celestial.

Nesta semana vamos prosear sobre a nossa indumentária gaúcha, mais precisamente sobre apilcha masculina, onde mostraremos o que podemos considerar de correto no uso de nossa indumentária, pois além do que é permitido, se torna um modismo.

As DIRETRIZES PARA A PILCHA GAÚCHA do MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO conforme a 76ª Convenção Tradicionalista Gaúcha – Taquara, 29 de julho de 2011, com alteração do artigo 3º, Inciso I, letra f pela 79ª Convenção Tradicionalista de julho de 2014, nos diz o seguinte:

Art. 1º – O Movimento Tradicionalista Gaúcho, cumprindo o que determina o parágrafo único do Art. 1º da Lei n° 8.813 de 10 de janeiro d e 1989, reunido em Convenção Ordinária, na cidade de Taquara, no mês de julho do ano de 2011, resolveu alterar as DIRETRIZES para a pilcha gaúcha, com fim de complementá-las e torná-las mais claras.

Art. 2º – DA PILCHA PARA ATIVIDADES ARTÍSTICAS E SOCIAIS: Indumentária a ser utilizada nas atividades cotidianas, apresentações artísticas e participações sociais, tais como bailes, congressos, representações, etc.

I – PILCHA MASCULINA

A – BOMBACHA

  • Tecidos: brim (não jeans), sarja (lã), linho, algodão, oxford, microfibra.
  • Cores: claras ou escuras, sóbrias ou neutras, tais como marrom, bege, cinza, azul-marinho, verdeescuro, branca. Fugindo as cores agressivas, fosforescentes, contrastantes e cítricas, como vermelho, amarelo, laranja, verde-limão, cor-de-rosa.
  • Padrão: liso, listradinho e xadrez discreto.
  • Modelo: cós largo sem alças, dois bolsos na lateral, com punho abotoado no tornozelo.
  • Favos: O uso de favos e enfeites de botões (devem ser do tamanho daqueles utilizados nas camisas, vedados os de metal) depende da tradição regional. As bombachas podem ter, nos favos, letras, marcas e botões. Quando usar favos, deverão ser da mesma cor e tecido da bombacha. Os desenhos serão idênticos em uma e outra perna.
  • Largura: com ou sem favos, coincidindo a largura da perna com a largura da cintura, ou seja, uma pessoa que use sua bombacha no tamanho 40, automaticamente deverá ter, aproximadamente, uma largura de cada perna de 40 cm de tal forma que não seja confundida com uma calça.
  • Uso: As bombachas deverão estar sempre para dentro das botas
  • Vedações: É vedado o uso de bombachas plissadas e coloridas.

B – CAMISA

1 – Tecido: preferencialmente algodão, tricoline, viscose, linho ou vigela, microfibra (não transparente), oxford.

2 – Padrão: liso ou riscado discreto.

3 – Cores: sóbrias, claras ou neutras, preferencialmente branca. Evitando cores agressivas e contrastantes.

4 – Gola: social (ou seja, abotoada na frente, em toda a extensão, com gola atual, com punho ajustado com um ou mais botões).

5 – Mangas longas: para ocasiões sociais ou formais, como festividades, cerimônias, fandangos, concursos.

6 – Mangas curtas: para atividades de serviço, de lazer e situações informais.

7 – Camiseta de malha ou camisa de gola pólo: exclusivamente para situações informais e não representativas. Podem ser usadas com distintivo da Entidade, da Região Tradicionalista e do MTG.

8 – Vedações: Vedado o uso de camisas de cetim e estampadas.

C – BOTAS

1 – Material: de couro liso

2 – Cores: preto, marrom (todos os tons) ou couro sem tingimento.

3 – Cano: a altura do cano varia de acordo com a região. Normalmente o cano vai até o joelho.

4 – Solado: o solado deve ser de couro, podendo ter meia sola de borracha ou látex. A altura máxima de um centímetro (entra em vigor em 1º de janeiro de 2012).

5 – Botas “garrão de potro”: são utilizadas exclusivamente com trajes de época.

6 – Vedações: é vedado o uso de botas brancas. Proibidos quaisquer tipos de bordados ou palavras escritas nas botas.

D – COLETE

1 – Uso: se usar paletó poderá dispensar o colete.

2 – Modelo: tradicional, sem mangas e sem gola, com uma única carreira de botões na frente, podendo ser abotoado, ou não. Com a parte posterior (costas) de tecido leve, ajustado com fivela, de uma cor só, no comprimento até a altura da cintura.

3 – Cor: da mesma cor das bombachas, podendo ser tom sobre tom.

4 – Tecido: mesmo padrão de tecido da bombacha.

E – CINTO (GUAIACA)

1 – Material: de couro.

2 – Guaiacas: de uma a três guaiacas internas ou não.

3 – Fivelas: uma ou duas fivelas frontais com, no mínimo, sete cm de largura.

4 – Florão: quando usado deve ter função de fivela.

5- Cinto de couro cru: Com ou sem guaiacas, mas sempre com uma ou duas fivelas frontais, com no mínimo 7 cm de largura.

6 – Vedação: Cinto com rastra (enfeite de metal com correntes na parte frontal).

F – CHAPÉU

1 – Material: de feltro ou pelo de lebre.

2 – Abas: a partir de 6 cm.

3 – Copa: de acordo com as características regionais.

4 – Barbicacho: de couro ou crina, podendo ter algum enfeite de metal e, ou fivela para regulagem.

5 – Vedação: é vedado o uso de boinas e bonés.

G – PALETÓ

1 – Uso: usado especialmente para ocasiões formais.

2 – Cor: A combinação de cor, com as bombachas, deve ser harmoniosa, evitando cores contrastantes.

3 – Vedações: é vedado o uso de túnicas militares substituindo o paletó.

H – LENÇO

1 – Cores: vermelho, branco, azul, verde, amarelo e carijó (nas cores citadas e ainda, marrom e cinza).

2 – Tamanho: no caso do uso com algum tipo de nó, com a medida de 25 cm a partir deste. Com o uso do passador de lenço, com a medida de 30 cm a partir deste.

3 – Passadores: de metal, couro ou osso.

I – FAIXA

1 – Uso: opcional.

2 – Cor: lisa, na cor vermelha ou preta se for de lã. Bege cru se for de algodão.

3 – Largura: de 10 a 12 cm.

J – PALA

1 – Uso: opcional.

2 – Tamanho: tamanho padrão, com abertura na gola.

3 – Opções: poderá ser usado no ombro, meia-espalda, atado da direita para a esquerda, com todos os trajes.

K – ESPORAS

1 – Uso: trata-se de peça utilizada nas lides campeiras. É admissível o uso nas representações coreográficas de danças tradicionais.

2 – Vedação: é vedado o uso em bailes e fandangos.

L – FACA

1 – Uso: é opcional, para grupos adultos, veteranos e no ENART, nas apresentações artísticas.

2 – Tamanho: de 15 a 30 cm de lâmina

3 – Vedação: é vedado o uso nas atividades sociais, exceto apresentações artísticas.

Apresentamos em nossa prosa semanal desta semana a INDUMENTÁRIA GAÚCHA MASCULINA, onde cada gaúcho poderá saber o que é permitido e ou considerado pilcha gaúcha masculina e fazer uma relação com o que muitos usam e assim podemos comparar se é indumentária gaúcha ou modismo.

Faça sua relação e em breve estaremos falando sobre o modismo que muitos estão fazendo com a nossa verdadeira indumentária gaúcha.

“Sirvam nossas façanhas de modelo a toda terra”.

Sobre Leandro Chaves

Leandro Chaves

Professor e Tradicionalista.
Filho de Italmir Maldonado Chaves (in memoriam) e Ana Maria Castro Chaves.
Exerceu diversas funções em Entidades Tradicionalistas de São Gabriel; foi Sota-Capataz e Tesoureiro da 18ª Região Tradicionalista. Atualmente integra o Departamento Social do CTG Tarumã.
É o idealizador do Mennatchê, um evento tradicionalista realizado no mês de Setembro, dentro de uma Escola Pública, que tem como objetivo cultuar as tradições do RS.

BOMBEIA TAMBÉM, TCHÊ!

Apresentação temática da Semana Farroupilha está confirmada para próxima segunda

Mesmo diante de todos os entraves e dificuldades financeiras que colocaram em risco a realização ...