segunda-feira, 19 novembro 2018
Capa » PROSEANDO » Indumentária Gaúcha (parte 3)

Indumentária Gaúcha (parte 3)

Buenas! Estamos mais uma vez lhe pedindo licença, para juntos prosearmos mais uma vez. Estamos pela terceira semana consecutiva abordando o tema INDUMENTÁRIA GAÚCHA, onde podemos anteriormente falar sobre a pilcha masculina e feminina.

Nesta semana vamos prosear sobre a Pilcha de Peões e Prendas Mirim, que tem algumas diferença em relação às demais categorias.

O MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO, na 76ª Convenção Tradicionalista Gaúcha – Taquara, 29 de julho de 2011, elaborou uma diretriz sobre a INDUMENTÁRIA GAÚCHA, que foi alterada o seu artigo 3º, Inciso I, letra f pela 79ª Convenção Tradicionalista de julho de 2014.

Art. 1º – O Movimento Tradicionalista Gaúcho, cumprindo o que determina o parágrafo único do Art. 1º da Lei n° 8.813 de 10 de janeiro d e 1989, reunido em Convenção Ordinária, na cidade de Taquara, no mês de julho do ano de 2011, resolveu alterar as DIRETRIZES para a pilcha gaúcha, com fim de complementá-las e torná-las mais claras.

Art. 2º – DA PILCHA PARA ATIVIDADES ARTÍSTICAS E SOCIAIS: Indumentária a ser utilizada nas atividades cotidianas, apresentações artísticas e participações sociais, tais como bailes, congressos, representações, etc.

(…)

III – PRENDA MIRIM

A – VESTIDO

1 – Modelo: Inteiro e cortado na cintura ou com cintura baixa. Barra da saia pode ser de 5 a 6cm acima do tornozelo ou até meia – canela. Os cortes podem ser godê, meio godê, franzido com ou sem babados, ou em panos.

2 – Mangas: longas, três quartos ou abaixo do cotovelo, admitindo-se pequenos babados nos punhos, sendo vedado o uso de “mangas boca de sino” ou “morcego”. No verão podem ser curtas, arrematadas com babadinhos.

3 – Decote: pequeno, podendo ter gola ou não.

4 – Enfeites: não sobrecarregar, a fim de evitar a desfiguração dos modelos. Optar pelos motivos florais delicados e miúdos. Podem ser usadas rendas, bordados, fitas, passa-fitas, gregas, viés, trancelim, crochê, nervuras, plisses, favos. É permitida pintura miúda, com tintas para tecidos. Não usar pérolas e pedrarias, bem como os dourados ou prateados e pintura a óleo e purpurinas.

5 – Tecidos: lisos ou estampados miúdos e delicados, de flores, listras, petit-poa e xadrez. Podem ser usados tecidos de microfibra, crepes, oxford. Não serão permitidos os tecidos brilhosos ou fosforescentes, transparentes, slinck, lurex, veludo, rendão e similares.

6 – Cores: delicadas, suaves e claras, evitando as cores cítricas, o marrom, o marinho, o verde escuro, o roxo, o bordô, o pink e o azul forte. Os vestidos na cor branca são usados por noivas e debutantes. Não usar preto, nem nos detalhes, nem as combinações nas cores das Bandeiras do Rio Grande do Sul e do Brasil.

B – SAIA DE ARMAÇÃO

1 – Cor: branca

2 – Modelo: leve e discreta. Se tiver babados, eles devem se concentrar no rodado da saia, para evitar o excesso de armação. O comprimento deve ser inferior ao do vestido.

C – BOMBACHINHA

1 – Tecido: leve, admitindo enfeites de rendas discretas.

2 – Cor: branca

3 – Modelo: comprimento abaixo do joelho, sempre mais curto que o vestido.

D – MEIAS

Longas o suficiente para não permitir a nudez das pernas. Na cor branca ou bege.

E – SAPATILHA

1 – Cores: preta, branca, bege e marrom.

2 – Modelo: sem salto (1cm ou 2,5 cm); com a tira sobre o peito do pé, que abotoe do lado de fora. F – CABELOS Soltos ou semi-presos, enfeitados com fitas.

G – MAQUIAGEM

Vedada para categoria mirim

H – JÓIAS

Brincos e anel delicados, de joias ou semi-jóias.

I – OBSERVAÇÕES

Não é permitido o uso de relógios, colares, pulseiras, brincos de plásticos coloridos ou similares.

 IV – TRAJE PEÃO MIRIM

A indumentária para a Peão Mirim segue as mesmas diretrizes da pilcha para o peão adulto com as ressalvas a seguir: Para dançar em palcos, festivais, rodeios artísticos, os peões dos grupos de danças da categoria mirim não usam esporas, chapéu, pala e faca. Segundo Paixão Cortes (Ponto e pesponto) as crianças não devem usar nada que prive seus movimentos naturais de crianças. Devem ser retirados [……] “ penduricalhos, cujo o peso da roupa, prive que as crianças se movimentem, infantilmente”.

Encerramos mais uma prosa semanal, onde nas últimas três semanas tivemos a oportunidadede prosearmos sobre a nossa INDUMENTÁRIA GAÚCHA. Mostramos aos gaúchos dos mais distantes rincões deste pago qual a verdadeira pilcha gaúcha.

Na próxima semana vamos fazer uma abordagem do que estamos presenciando nos eventos gaúchos deste pago sulino, onde estão obedecendo a indumentária e ou onde estão transformando a nossa pilcha em um verdadeiro modismo.

“Sirvam nossas façanhas de modelo a toda terra”.

Sobre Leandro Chaves

Leandro Chaves
Professor e Tradicionalista. Filho de Italmir Maldonado Chaves (in memoriam) e Ana Maria Castro Chaves. Exerceu diversas funções em Entidades Tradicionalistas de São Gabriel; foi Sota-Capataz e Tesoureiro da 18ª Região Tradicionalista. Atualmente integra o Departamento Social do CTG Tarumã. É o idealizador do Mennatchê, um evento tradicionalista realizado no mês de Setembro, dentro de uma Escola Pública, que tem como objetivo cultuar as tradições do RS.

BOMBEIA TAMBÉM, TCHÊ!

Caçapavano ganha reconhecimento do MTG por atividades tradicionalistas

Na última sexta-feira (01/12) o Caçapavano Lucas Mota recebeu uma homenagem em reconhecimento aos serviços ...