Capa » PROSEANDO » Meu chasque não tem floreio

Meu chasque não tem floreio

Peço a permissão, com um abraço amigo e fraterno, para abrirmos as cancelas de mais uma prosa com Ratinho Chaves.

Gaspar Machado “Meu chasque não tem floreio” foi chamado pelo Patrão Celestial. Foi num 19 de abril, que um referencial da Música Nativista do Rio Grande do Sul, Tradicionalista,  Poeta e Advogado partiu deste chão para começar alegrar a Estância do Criador, o homem que ficou conhecido em todo Estado com a Música Chasque para Dom Munhoz, José Gaspar Machado, que conquistou o Movimento Tradicionalista com suas letras, mas também pela sua autenticidade, simplicidade e respeito para com cada ser humano, que consigo conviviam.

Nesta prosa de hoje queremos prestar nossa simples homenagem a este gaúcho, poeta, letrista, advogado e tradicionalista José Gaspar Machado (in memorian), que por onde passava deixava um rastro de amizade, pois com sua simplicidade conquistava cada gaúcho e gaúcha de nosso pago.

Escrevia suas letras com alma e coração, pois tinha essa devoção e quando suas letras eram musicadas, nos contagiava e, de logo vinha à emoção, pois víamos em suas palavras a verdadeira essência deste Rio Grande do Sul.

São sete anos sem o nosso grande amigo Gaspar Machado, mas seu legado jamais será esquecido, pois as músicas com suas letras ainda permanecem vivas e ecoando por este Mundo Grande de Deus.

Tantas homenagens já foram prestadas a este gaúcho, e a cada homenagem vem à lembrança e a saudade de nosso amigo Gaspar Machado, pois com sua simplicidade e ensinamentos fazia com que refletíssemos muito para trilharmos sempre o melhor caminho.

Com a permissão do amigo e poeta Francisco Luzardo encerro minha singela homenagem ao amigo Gaspar Machado, com a poesia “TRIBUTO À DOM GASPAR” escrita por ti Francisco Luzardo, que trás uma das mais lindas homenagens já feitas a Gaspar Machado, que não temos como não se emocionar, pois a saudade deste gaúcho de quatro costado contagia aqueles que um dia puderam conviver, escutar e conhecer o Gaspar Machado.

TRIBUTO À DOM GASPAR

Francisco Luzardo

“Amigo GASPAR MACHADO,
Meu chasque não tem floreio”
Saco o chapéu e me apeio
Junto à saudade dos teus,
E humildemente te peço
Me empresta a luz do teu verso
Pra iluminar estes meus.

JOSE GASPAR MACHADO DA SILVA
Conhecido GASPAR MACHADO!
Que há uns anos foi levado
Pra gauchar no além,
Gauchão dos quatro costados!!!
Se DEUS o quer ao seu lado
Porque é gaúcho também!

Se JOSÉ, o pai de Jesus,
Teve ofício de carpinteiro
O nosso aqui foi campeiro
Poeta por vocação,
Com papel, caneta e poesia,
Seu império construía
No braço do violão.

GASPAR, um nome, uma lembrança…
Pai zeloso, humanista,
O advogado, o tradicionalista
Sempre de laço na mão!
GASPAR, crioulo do CAIBOATÉ GRANDE
saudade que a cada dia se expande
por todo o seu “SANTO CHÃO”.

MACHADOe SILVA… dois sobrenomes terrunhos
Na simplicidade que representam
Pois os dois juntam sustentam
O crioulismo que eu falo,
Pois nos Silvas e nos Machados
Estão os homens laureados
Sobre o lombo do cavalo.

…E assim, o Rio Grande do Sul
em GASPAR MACHADO, fez querência!
Buscando em sua “GAUCHÊNCIA”
Semeou isso e muito mais!
Pelo mesmo ofício, que me compete,
Nos ensinou “COMO CANTAR UM FLETE”
E a terra dos marechais.

Tanto a pé como a cavalo,
sempre de lenço amarelo!
No pescoço ou a bandoleira,
Seu panuelo era uma bandeira
Esvoaçando feito asas
“BEM ME LEMBRO E FAÇO VER”
que aqui neste CTG
Dom GASPAR fez sua casa.

Foste cerne deste TARUMÃ
Que assim deixaste enlutado
Olhando para o legado
Do teu lenço cor de ouro,
Que oxalá! Teu filho amado
Te perpetue, entronado,
Nos recaus do pingo mouro.

Se usavas “BOMBACHA LARGA
E UM CHAPÉU DE METRO E MEIO
“SE SUSTENTAS PACHOLA NA SERVENTIA DO ARREIO”
Pois então nos igualamos,
Repartindo esse papel
“DE CANTAR SÃO GABRIEL
QUERÊNCIA QUE TANTO AMAMOS”!

“Sirvam nossas façanhas de modelo a toda terra”.

Sobre Leandro Chaves

Leandro Chaves
Professor e Tradicionalista. Filho de Italmir Maldonado Chaves (in memoriam) e Ana Maria Castro Chaves. Exerceu diversas funções em Entidades Tradicionalistas de São Gabriel; foi Sota-Capataz e Tesoureiro da 18ª Região Tradicionalista. Atualmente integra o Departamento Social do CTG Tarumã. É o idealizador do Mennatchê, um evento tradicionalista realizado no mês de Setembro, dentro de uma Escola Pública, que tem como objetivo cultuar as tradições do RS.

BOMBEIA TAMBÉM, TCHÊ!

Feliz Ano Novo …

Foi muito bom!!! Muito Bom mesmo, contar sempre com a tua amizade, durante o ano ...