Capa » ÚLTIMOS CHASQUES » MTG – Qual o retorno financeiro as entidades?

MTG – Qual o retorno financeiro as entidades?

Inicialmente, peço lhe licença para mais uma prosa semanal aqui no mundotradicionalista.com.br com o Ratinho Chaves. Vamos prosear sobre o MTG, Movimento Tradicionalista Gaúcho do Rio Grande do Sul, questiona-lo e abrir um debate de qual o “retorno” deste órgão que coordena um dos cinco maiores movimentos sociais do Mundo para suas Entidades Filiadas.

Primeiramente temos que abordar a definição: O que é MTG? O MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO, identificado pela sigla MTG e inscrito no Cartório de Títulos e Documentos em 27 de novembro de 1967, às folhas 12 verso, sob o número de ordem 4.436, Livro A, n° 8, é uma associação civil. Possui personalidade jurídica e se caracteriza como de direito privado, sem fins lucrativos, com circunscrição em todo o território nacional e com número ilimitado de associados indicados sob a denominação de filiados.

Podemos ver que é uma associação civil, sem fins lucrativos. Mas vem o nosso questionamento: Mas as anuidades? Os tradicionalistas sabem que hoje para participar de qualquer evento tradicionalista precisa a Entidade, primeiro se filiar ao MTG, e para isso EXISTEM taxas.

Com o ano base de 2015, só para pedir a filiação ao MTG e assim poder participar de Rodeios, Festas Campeiras, Concursos de Peões e Prendas, Enart entre outros, a Entidade precisa desembolsar em torno de R$ 431,84, vejam bem, mais de 50% de um salário mínimo, isso somente TAXA DE FILIAÇÃO.

Seguimos, agora vem a ANUIDADE, e o golpe no bolso da Entidade é bem maior, R$923,58 (valores de 2015). Vejam bem, o MTG, Entidade sem fins lucrativos, adquire anualmente R$ 923, 58 de cada Entidade Tradicionalista filiada, chegando a um montante de mais de 1 milhão de reais de arrecadação anualmente. Para onde vai este dinheiro?

Boa pergunta. Para onde vai este dinheiro? Qual retorna para as Entidades Tradicionalistas? Vejam bem, mais de 1 milhão de reais, somente em anuidades. Sem falar em outras taxas, como por exemplo, o CIT, o Cartão de Identidade Tradicionalista que é exigido pelo MTG para os gaúchos poderem participar de um evento tradicionalista.

Ficamos por enquanto sem respostas, pois para realizar um Congresso Tradicionalista ou Convenção a cidade sede tem que arcar com as despesas de hospedagem para os integrantes do MTG, bem como todas as demais despesas de realização, sonorização, enfim, demais despesas.

Para realização de qualquer outro evento as cidades sedes arcam com as despesas sem falar que as Entidades Tradicionalistas que vão participar não tem nenhuma ajuda de custo por parte do MTG, sendo todas as despesas por conta da Entidade participante ou até mesmo por conta do participante.

Mais uma vez questionamos: Onde é aplicado este mais de 1 milhão arrecadado? Pois, para a realização de qualquer evento campeiro, artístico, cultural ou esportivo que requer Comissão Avaliadora do MTG, as despesas são por conta da Entidade solicitante. Então, para onde vai o dinheiro?

Será necessária uma anuidade tão alta? Acreditamos que não, pois o RETORNO do MTG as Entidades é mínimo, pois somente organizam, onde as despesas decorrentes do evento são a cargo da Entidade Tradicionalista, tanto participante como organizadora. Até mesmo hospedagem aos integrantes do MTG é pago pela organização da cidade sede, seja pelo órgão público municipal ou pela Entidade Tradicionalista que está sediando o evento.

Sem falar que anualmente, muitas vezes semestralmente, ou até mesmo em um menor espaço de tempo, realizam “cursos” para reciclagem de instrutores de danças, avaliadores e narradores de rodeios, e as despesas são todas por conta do participante, nem mesmo estes cursos são oferecidos gratuitamente pelo MTG. Mais uma vez questionamos: Onde é aplicado o dinheiro das anuidades?

Alguma Entidade Tradicionalista recebe anualmente aporte financeiro do MTG? Acreditamos que não. As Regiões Tradicionalistas muitas vezes tem que se virar pedir auxílio para as Prefeituras e ou Empresas para poder deslocar seus representantes para concursos, pois um retorno mínimo é dado para os Coordenadores Regionais deslocarem até os eventos do MTG.

Prendas ou Peões Regionais será que recebem ajuda das Regiões e do MTG para suas despesas frente à Ciranda de Prendas ou Entrevero de Peões? Também acreditamos que não.

Enfim, está lançado o debate. Acreditamos que nossa coluna vai servir de reflexão aos tradicionalistas, pois será que o nosso dinheiro está sendo bem aplicado? Será que não estão com um valor elevado as anuidades? Pois, nada de retorno é dado as Entidades Tradicionalistas.

Pensem, reflitam e vejam se o Ratinho Chaves não está com a razão. Onde está sendo aplicado os mais de 1 milhão de reais das anuidades pagas ao MTG e qual o retorno financeiro que este órgão aporta para seus filiados?. Isso que é uma Entidade sem FINS LUCRATIVOS.

Até a semana de quem se o Patrão Maior nos permitir, e mais uma vez agradecemos a você que reservou alguns minutos para aqui prosear com o Ratinho Chaves. Um grande abraço e uma ótima semana a todos.

“Sirvam nossas façanhas de modelo a toda terra”.

Sobre Leandro Chaves

Leandro Chaves
Professor e Tradicionalista. Filho de Italmir Maldonado Chaves (in memoriam) e Ana Maria Castro Chaves. Exerceu diversas funções em Entidades Tradicionalistas de São Gabriel; foi Sota-Capataz e Tesoureiro da 18ª Região Tradicionalista. Atualmente integra o Departamento Social do CTG Tarumã. É o idealizador do Mennatchê, um evento tradicionalista realizado no mês de Setembro, dentro de uma Escola Pública, que tem como objetivo cultuar as tradições do RS.

BOMBEIA TAMBÉM, TCHÊ!

Caravana da Produtividade passará em São Gabriel nesta sexta-feira (22)

São Gabriel, no RS, receberá 3ª edição da Caravana da Produtividade, ação que levará mais ...